fbpx

O dólar americano fechou nesta quarta-feira, 23 de fevereiro, negociado a R$ 5,003. Foi o menor valor registrado desde junho de 2021. No ano, o dólar acumula queda de 10,24%. Para muitos brasileiros, a dúvida que fica é: chegou a hora de comprar dólares pensando na volta das viagens para o exterior ou em um aumento da cotação mais adiante

Para saber as respostas, é necessário primeiro entender que o desempenho da moeda americana é reflexo de uma série de fatores.

O primeiro é o aumento do juro doméstico. Há duas semanas, o Banco Central elevou a Selic para 10,75% ao ano. A expectativa é que taxa encerre o ano em 12,25%. O juro mais elevado tem o objetivo de ancorar as expectativas de inflação.

Na quarta, foi divulgado o IPCA-15, prévia da inflação oficial, e os números vieram acima do esperado pelo mercado. A notícia foi entendida por analistas como um sinal de que a Selic deve permanecer acima dos 12% ao ano por mais tempo.

A volta do juro à casa dos dígitos tem como um dos reflexos o aumento no fluxo de capital de investidores estrangeiros para o mercado financeiro brasileiro. Com as taxas nos Estados Unidos e na Europa ainda próximas a zero, o chamado diferencial de juro é tão grande que se torna mais atrativo para o estrangeiro voltar a buscar retorno no Brasil.

Somente no mês de fevereiro, os estrangeiros já ingressaram com cerca de R$ 10 bilhões na B3. Isso significa, portanto, mais dólares no mercado, ampliando a oferta da moeda americana.

Outro fator que tem contribuído para a valorização do real é a alta do preço das commodities, como petróleo e minério de ferro, impactando o desempenho de empresas exportadoras como Petrobras (PETR3, PETR4) e Vale (VALE3). Isso também acaba se traduzindo em pressão para baixo da moeda americana.

André Perfeito, economista-chefe da Necton Investimentos, afirmou que o real deve continuar a se apreciar contra o dólar diante do cenário atual. “Os motivos que governam a apreciação do real devem continuar, a saber, juros altos por aqui e commodities em alta. Nesse sentido, revisamos a projeção da moeda americana no fim de 2022 de R$ 5,20 para 5,00.” O boletim Focus divulgado na última segunda-feira, dia 21, ainda projeta o dólar a R$ 5,50 em dezembro.

Cristiane Quartaroli, economista da Ourinvest, afirmou que analistas de mercado acreditam que o Federal Reserve, o Fed, o banco central americano, deve aumentar o juro americano em 0,25 ponto percentual, e não mais em 0,5 ponto percentual na reunião de março, como esperado anteriormente. “A diferença de juro entre os países torna o Brasil mais atrativo.” A taxa de juro na economia americana está no intervalo entre zero e 0,25% há dois anos.

Para a economista, o dólar cairá um pouco mais até o fim do ano, mas ela adverte que os próximos meses serão de muitas oscilações nas cotações devido à proximidade das eleições presidenciais. “As eleições geram muita volatilidade no mercado. Com a aproximação do evento e com um cenário mais definido, a incerteza vai reduzindo.”

É hora de comprar?

A queda do dólar é uma boa notícia para quem planeja viajar para o exterior. Ou para quem entende que a moeda americana é uma boa proteção para momentos de volatilidade que podem voltar ao mercado.

No começo do ano, a cotação do dólar turismo estava em R$ 5,823. Nesta quarta-feira, dia 23 de fevereiro, estava em R$ 5,167. Em São Paulo, nas casas de câmbio, o dólar era vendido a R$ 5,24 em papel moeda e a R$ 5,55 no cartão pré-pago. Os valores foram consultados pela EXAME Invest no site MelhorCambio.com perto das 17h desta quarta.

Mas será que é uma boa hora para comprar dólar? Para os especialistas ouvidos pela reportagem, a resposta é sim. Entretanto a quantidade e o momento exato para comprar dependerá da data da viagem.

Stéfano Assis, presidente da MelhorCâmbio, explicou que pessoas que têm uma viagem programada para os próximos 15 dias podem aproveitar o momento favorável e comprar toda a quantidade necessária agora.

Já aqueles que devem viajar nos próximos dois meses ou até o final do ano devem comprar dólares de maneira fracionada, de pouco em pouco. “A ideia dessa prática é reduzir o tíquete médio da compra. O dólar é instável. Não tem como prever a cotação, mesmo com indicadores econômicos. O melhor a fazer é comprar aos poucos.” Ao comprar de maneira espaçada, o viajante compra com diferentes cotações e se protege da variação do câmbio.

Vale lembrar que há cobrança de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) nas transações. Com dinheiro em espécie, a alíquota que incide sobre os valores adquiridos é de 1,10%; no caso do cartão pré-pago, a taxa é de 6,38%.

O cartão pré-pago, embora seja mais seguro do que o dinheiro em espécie por causa da exigência de senha, não tem uso recomendado para todas as compras, uma vez que o IOF cobrado é mais elevado.

Como economizar

Além de comprar dólares aos poucos, outra orientação é pesquisar. Essa prática pode ser feita inicialmente pelo site do Banco Central, com a ferramenta Ranking do VET, que mostra as corretoras de câmbio que praticam o Valor Efetivo Total (VET) mais vantajoso na compra da moeda. O VET é uma taxa que inclui não apenas o custo da moeda estrangeira mas também as tarifas e o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) incidentes na conversão.

Há uma ressalva importante: os valores cobrados pelas instituições financeiras no dia da compra de fato da moeda americana podem ser diferentes daqueles praticados no mês de referência da pesquisa. O ranking, portanto, deve ser utilizado apenas como uma sinalização sobre quais casas podem cobrar os menores preços.

Para chegar a uma conclusão mais precisa, é recomendável pesquisar os custos que as corretoras oferecem no dia em que será feita a conversão; e, por fim, checar se a conversão é, de fato, a mais vantajosa em sites de comparação de preços, que mostram as cotações em tempo real. É importante também tomar o cuidado de verificar se todas as corretoras que cobram uma taxa de conversão melhor estão incluídas na listagem.

 

https://exame.com/invest/minhas-financas/dolar-a-5-reais-e-hora-de-comprar-para-viajar-para-o-exterior/

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar caía frente ao real nos primeiros negócios desta quinta-feira, ampliando perdas registradas na véspera em meio a alívio em temores político-fiscais domésticos, acompanhando ainda arrefecimento no rali dos rendimentos dos títulos soberanos norte-americanos.

Às 9:04 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,37%, a 5,4473 reais na venda.

Na B3, às 9:04 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,09%, a 5,4595 reais.

A moeda norte-americana negociada no mercado interbancário fechou a última sessão em baixa de 1,68%, a 5,4673 reais na venda, mínima desde 12 de novembro do ano passado (5,4569 reais) e a maior queda percentual diária desde 30 de dezembro (-2,11%).

O Banco Central fará nesta sessão leilão de até 17 mil contratos de swap cambial tradicional para fins de rolagem do vencimento de 2 de março de 2022.

(Por Luana Maria Benedito)

blankQuem Somos

Agência de marketing digital localizada na zona sul de São Paulo com mais de 11 anos de experiência em soluções digitais para pequenas empresas.

Somos uma agência de performance, nossas ações são guiadas por dados e com foco em um objetivo.

A nossa missão é empoderar você e facilitar sua tomada de decisões para que você possa ir tão longe quanto a sua imaginação e ousadia permitirem.

Além dos Serviços de Marketing Digital, nós desenvolvemos Ferramentas e Produtos para o mercado.

 

Sobre Nós

Top

latest android games

|

popular android games